F2 - SUPORTE | WINDOWS

::Blog com dicas sobre informática::: , informática, apostilas, tutoriais, dicas, vídeo aulas, computadores, notebook, windows, linux, android, desktop, server, troubleshooting, TI, PC, Sem fins lucrativos

BLOG SEM FINS LUCRATIVOS

Breaking

BLOG SEM FINS LUCRATIVOS

PESQUISE EM NOSSOS SITES

Instalação do Ubuntu - Linux.

Como Baixar e Instalar o Ubuntu 17.04 [PT-BR]



.
Instalação passo à passo do Ubuntu - Linux.





O Ubuntu vem rapidamente ganhando popularidade. Ele é desenvolvido pela Ubuntu Foundation, uma organização sem fins lucrativos, que por sua vez é patrocinada pela Canonical Inc., que ganha dinheiro vendendo suporte, treinamentos e customizações do Ubuntu. Esta combinação de ONG e empresa tem dado muito certo, combinando os esforços de um sem número de voluntários e um grupo de desenvolvedores bem pagos que trabalham em tempo integral no desenvolvimento do sistema.
Ao invés do tradicional 1.0, 2.0, 3.0, etc., o Ubuntu usa um sistema de numeração das versões bastante incomum. Os releases são numerados com base no mês e ano em que são lançados e recebem um codenome. A primeira versão oficial foi Ubuntu 4.10 (lançado em outubro de 2004), apelidado de "Warty Warthog", seguido pelo 5.04 (lançado em abril de 2005), apelidado de "Hoary Hedgehog" e pelo 5.10 (outubro de 2005), batizado de "Breezy Badger". O próximo será o 6.04 (Dapper Drake), agendado para abril de 2006. Como pode perceber, as novas versões do Ubuntu são lançadas de 6 em 6 meses, sempre com um nome mais esquisito que a anterior ;-).

O Ubuntu é um meio termo entre o Debian "puro" e distribuições amigáveis como o Kurumin. Ele tem foco no uso em desktop, mas sem perder os recursos úteis para uso em servidor.
Ao invés de incluir várias ferramentas de configuração, ele utiliza apenas as ferramentas básicas encontradas no Debian, combinadas com um bom sistema de detecção de hardware durante a instalação. Visualmente, ele é mais agradável de usar (que o Debian), mas ao configurar você tem que lidar diretamente com arquivos de configuração. Essa combinação de instalação simples, mas configuração relativamente complicada faz com que ele seja uma opção bem interessante para estudar e entender melhor a estrutura do sistema.
Além do Debian, a maioria das dicas que dou aqui sobre o Ubuntu servem também para o Kurumin. No caso do Kurumin, a maior parte destes passos não são necessários, pois as configurações já vêm prontas, ou são automatizadas pelos ícones mágicos, mas é importante estudá-los para entender como o sistema funciona por baixo dos panos.
O Ubuntu usa um instalador em modo texto, uma versão simplificada do instalador do Debian Sarge. Devido à simplicidade, o instalador é bastante robusto e faz poucas perguntas durante a instalação. Em geral, mesmo os mais iniciantes não têm muitos problemas para colocar o Ubuntu para trabalhar. O ponto fraco do instalador é o fato de possuir uma ferramenta de particionamento bastante deficiente.
Antes de começar a instalação, use o Gparted (que pode ser usado a partir de um CD do Kurumin) ou outra ferramenta de particionamento para redimensionar a partição do Windows, criar a partição para a instalação do sistema e swap e outras modificações necessárias antes de inicializar a instalação. Deixe tudo pronto para apenas definir a partição onde o sistema será instalado.
Ao invés do KDE, o Ubuntu usa o Gnome como desktop padrão, incluindo um conjunto de programas que se integram bem com ele. Isso acaba sendo uma deixa para falar mais sobre ele, já que até agora só falamos do KDE.
Assim como no caso do Kurumin, você pode especificar opções na tela de boot do CD. Como disse, o instalador é bastante simples e robusto, por isso os casos de problemas durante a instalação são raros. Mesmo assim, em alguns casos pode ser necessário desabilitar o ACPI ou APCI ou mesmo especificar o modelo da controladora SCSI, caso você esteja usando uma. Você pode ver as opções de boot disponíveis pressionando as teclas F5, F6 e F7.
Para desabilitar o APIC, por exemplo, use a opção "linux noapic". Na verdade, o instalador não roda em texto puro, ela usa frame buffer. Em algumas poucas situações, a placa de vídeo pode não ser compatível com o modo usado, neste caso experimente a opção "linux vga=771", que usa 800x600 com 256 cores, um modo compatível com praticamente todas as placas.

Existe ainda uma opção de instalação enxuta, onde é instalado apenas o sistema base, sem o X, Gnome ou qualquer outra ferramenta gráfica, ativada usando a opção "server" no boot. Esta opção pode ser usada mais tarde como um desafio: que tal tentar instalar manualmente, via linha de comando, os pacotes necessários para completar a instalação do sistema, até chegar ao ponto de abrir o Firefox e assistir uma animação em Flash no http://www.charges.com.br? :-).
A instalação propriamente dita começa com a escolha da língua, escolha "Portuguese (Brasil)". Em seguida, vem a escolha do teclado, onde o padrão (ao escolher o português como língua) é o ABNT2. Se você tiver um teclado padrão Americano, acesse a opção "Selecionar de uma lista completa de teclados" e escolha "Português Brasileiro (Layout Americano)".
Dentro do instalador, use as setas e a tecla para navegar entre as opções, para selecionar e para confirmar.

Apesar de oferecer suporte a muitas linguagens diferentes, o Ubuntu inclui um número relativamente pequeno de pacotes de internacionalização nos CDs de instalação, que não inclui o suporte a português do Brasil. Para instalar na nossa língua, o instalador se oferece para baixar os pacotes necessários via internet no final da instalação.
Para que isso funcione, o instalador detecta a placa de rede e em seguida tenta configurar a rede via DHCP. Você pode também configurar os endereços manualmente, mas o instalador não possui suporte a conexões via modem, ADSL com autenticação, nem à maioria das placas wireless. Só é possível baixar os pacotes durante a instalação se você estiver usando uma conexão de rede local, compartilhada no modem ADSL, ou num outro micro da rede.

O próximo passo é o particionamento. Como disse, o particionador usado durante a instalação está longe de ser intuitivo e a opção padrão é "Apagar todo o disco". Preste atenção ao selecionar as opções, pois é muito fácil destruir o particionamento do HD com ele. Respire fundo e conte até dez ;).

Ao instalar num HD já particionado, escolha a opção "Editar manualmente a tabela de partições". Aponte a partição onde o sistema será instalado e, na tela seguinte, onde são mostradas as propriedades da partição, indique o seguinte:

O mais importante aqui é o "Ponto de montagem", que diz ao instalador o que fazer com a partição. Dizer que o ponto de montagem é "/" explica a ele que esta é a partição onde o sistema será instalado. Não se esqueça de ativar a opção "sim, formatar" e de indicar o sistema de arquivos no qual a partição será formatada, na opção "Usar como". Ao terminar, selecione a opção "Finalizar a configuração da partição".
Caso você tenha uma segunda partição que queira usar como home, repita o mesmo procedimento para ela, dizendo que o ponto de montagem é "/home".
A opção "Opções de montagem" permite incluir opções que serão usadas ao montar a partição. Cada sistema de arquivos possui opções específicas, que o fazem de forma diferente ou melhoram o desempenho em situações específicas. No ReiserFS, por exemplo, é comum usar as opções "noatime" e "notail". A primeira faz com que o sistema não atualize as propriedades dos arquivos quando eles são acessados (passa a atualizar apenas quando são realmente alterados), o que melhora bastante o desempenho em servidores web e bancos de dados. A opção notail desabilita o agrupamento de arquivos, o que causa um pequeno desperdício de espaço em disco, mas melhora um pouco o desempenho. Naturalmente, estas opções são apenas opções, você pode simplesmente manter o "defaults" se não precisar de nada específico.
Caso você tenha dois ou mais HDs, o instalador oferece a opção de usar RAID via software, onde duas partições (uma de cada HD) são combinadas (RAID 0) e o sistema passa a acessá-las como se fosse uma partição só, dividindo os dados entre elas. Isso aumenta o desempenho, mas diminui a confiabilidade, pois qualquer problema com um dos dois HDs faz com que todos os dados sejam perdidos.
Existe também a opção de usar RAID 1, onde a partição no segundo HD simplesmente guarda uma cópia dos dados do primeiro. Neste caso não existe ganho nenhum de desempenho (pelo contrário, temos uma pequena perda), mas você ganha em confiabilidade, já que o segundo HD passa a armazenar um backup automático. Este sistema de RAID via software funciona da mesma forma que o RAID feito usando uma controladora dedicada, porém funciona usando as portas IDE ou SATA da placa-mãe, sem precisar de hardware adicional.
Para usar as partições em RAID você precisa mudar o sistema de arquivos para "volume físico para RAID". Depois de combinadas, as duas partições passam a ser vistas como uma única partição, que pode ser finalmente formatada usando o sistema de arquivos que preferir.

Por padrão, o instalador monta as outras partições que encontrar no HD (incluindo as partições do Windows e de outras distribuições), na pasta "/media", mas você pode mudar para a pasta "/mnt" ou outra pasta que preferir. No screenshot abaixo você tem um exemplo de configuração mais complexa, numa máquina com dois HDs e várias partições. Note que o instalador detecta e usa as partições swap automaticamente, mesmo que você tenha mais de uma.

Ao terminar, selecione a opção "Finalizar o particionamento e gravar as mudanças no disco" (no final da lista), para continuar com a instalação.
Você notará que ao contrário de outras distribuições mais tradicionais, o Ubuntu não oferece uma opção para selecionar os pacotes que serão instalados. O CD simplesmente contém um sistema base, com os programas mais usados, que é instalado diretamente. Isso reduz a flexibilidade, mas em compensação simplifica bastante a instalação do sistema e permite que ele seja composto de apenas um CD, ao invés de vários, como no caso do Mandriva ou Fedora.
Os programas adicionais podem ser baixados posteriormente via internet. Assim como o Kurumin, o Ubuntu usa o apt-get como ferramenta de instalação, baixando os pacotes a partir de um conjunto de repositórios próprios.
Depois da cópia dos pacotes, o instalador pergunta sobre o download dos pacotes com as traduções. Embora seja mais fácil deixar que o instalador se encarregue disso, é possível instalar manualmente depois, usando o apt-get ou o Synaptic.

Outra pergunta que levanta dúvidas é sobre a configuração do horário. No Linux, a hora do relógio é calculada segundo o GMT, uma espécie de horário universal, da onde o sistema subtrai o fuso horário para chegar ao horário na sua região. Quando ele pergunta se "O relógio de hardware está configurado para GMT", ele está perguntando se o relógio do micro está mostrando a hora certa (independente do fuso horário), ou se ele está mostrando o horário GMT, da onde ele ainda vai subtrair três horas para chegar ao horário de Brasília.
Basicamente, se você usa o Windows em dual boot, responda não, pois o Windows não calcula o horário baseado no GMT, simplesmente mostra o horário atual do relógio. Em caso de dúvida, veja se o horário do relógio que ele exibe está certo (neste caso responda "não", pois ele está usando o horário local) ou se está três horas adiantado (sintoma de que está ajustado para GMT)

Em seguida, ele pede para você escolher um nome e senha para a sua conta de usuário. Um detalhe interessante sobre o Ubuntu é que a conta de root vem por padrão desabilitada. Você utiliza o sudo para abrir programas como root e executar tarefas administrativas. Para editar o "/etc/fstab" como root, usando o gedit, por exemplo, você usaria o comando:
$ sudo gedit /etc/fstab
A senha que é solicitada no caso não é a senha de root (lembre-se, a conta de root é desativada por padrão, não existe sequer uma senha definida), mas sim a senha da sua conta de usuário. Como você pode ver, o usuário criado durante a instalação pode executar qualquer comando como root, apenas adicionando "sudo" no início do comando, assim como no Kurumin. O fato do sudo solicitar a senha de usuário é apenas uma precaução contra a possibilidade de alguém executar comandos na sua máquina aproveitando-se da sua ausência.
Voltando à instalação, o passo final é configurar o gerenciador de boot. O Ubuntu usa do grub ao invés do lilo. Caso você esteja instalando ele sozinho, ou em dual-boot com o Windows, basta instalar o grub no MBR, respondendo "sim" quando ele pergunta "Instalar o carregador de inicialização GRUB no registro de inicialização principal?". O instalador é capaz de detectar outros sistemas operacionais instalados e já inclui as entradas no menu de boot automaticamente.

Mas, se você está instalando o Ubuntu junto com outras distribuições Linux, essa etapa inspira mais cuidados. Uma das distribuições deve instalar o gerenciador na MBR e as demais no primeiro setor da partição. Se você simplesmente for mandando todas instalarem na MBR, uma vai substituir a outra e no final vai conseguir inicializar apenas a última.
Para instalar o grub no primeiro setor da partição, responda "não" na pergunta. Ele perguntará onde o grub deve ser instalado. O problema é que ele usa uma notação diferente do padrão para nomear as partições. Se você está instalando na partição "/dev/hda2", por exemplo, responda "hd0,1", se estiver instalando na partição "/dev/hda5", responda "hd0,4" e, se estiver instalando no "/dev/hdb1", responda "hd1,0".
Eu ainda pretendo dar umas bolachas em quem inventou essa nomenclatura ;), mas a lógica é a seguinte:
Os dois números indicam o HD e a partição dentro dele. Ambos são nomeados a partir do zero, de forma que o "/dev/hda" vira "0", o "/dev/hdb" vira "1", o "/dev/hdc" vira "2" e o "/dev/hdd" vira "3". As partições também são nomeadas a partir do zero, de forma que a "/dev/hda1" é "0,0" e a "/dev/hda5" é "0,4", sempre subtraindo 1.

Este primeiro estágio da instalação serve para copiar instalar um sistema base, os pacotes para o HD e colher as informações necessárias. A instalação mesmo começa depois de remover o CD e reiniciar a máquina, quando finalmente são instalados o grosso dos pacotes e os pacotes de internacionalização são baixados via web.
Embora um pouco demorada, esta segunda etapa é automática. Depois de mais um reboot, você finalmente cai na tela de login.
Uma última dica sobre a instalação é que além da instalação do sistema em si, o instalador copia cerca de 300 MB de pacotes, que podem ser instalados posteriormente pelo apt-get, sem que você precise ficar fornecendo o CD de instalação. Para desabilitar esta cópia, economizando espaço e tornando a instalação mais rápida, use a opção "linux archive-copier/copy=false" na tela de boot. 
 Fonte: http://www.gdhpress.com.br/entendendo/leia/index.php?p=cap6-2


##################################################################################################################################





:::::::Uma forma mais fácil de instalar o Ubuntu:::::::




A instalação do Ubuntu 8.10 e das versões anteriores são muito semelhantes.

Este tutorial vai mostrar passo a passo como instalar o Ubuntu após ter particionado o HD.

1. Reinicie o computador e faça o boot pelo CD do Ubuntu.

2. Ao iniciar, selecione a linguagem "Português do Brasil".

3. Escolha a opção "Testar o Ubuntu sem qualquer mudança no seu computador".

4. Após carregar, no desktop, execute o ícone "Instalar o Sistema no computador".


5. Selecione a linguagem "Português do Brasil" e clique em "Avançar".


6. Selecione a localidade e clique em "Avançar".


7. No layout do teclado selecione "Brazil" e clique em "Avançar".


8. Agora, vamos escolher a forma de intalação.

Se vc selecionar a opção "Guiado", haverá a possibilidade de redimensionar as partições criadas em disco.

Ao selecionar "Assistido", o sistema será instalado no disco inteiro.

Vamos então selecionar a opção "MANUAL" para selecionar a partição já criamos. Clique em "Avançar".


9. Selecione "Espaço Livre" e clique em "Nova Partição".


10. Vamos agora criar a partição para instalarmos o Ubuntu, no espaço livre. Escolha o sistema de arquivos "EXT3". Em "Ponto de Montagem" selecione "/" e clique em "OK".


11. Pronto. A partição para o Ubuntu foi criada. Agora selecione-a e clique em "Avançar". O Ubuntu será instalado nessa partição.


12. Digite agora seu nome, o nome de usuário e senha para logar no sistema. Você também pode definir o nome do computador. Clique em "Avançar".


13. Nessa opção você pode optar por importar as configurações de uma conta em outro sistema ou não.


14. Agora, basta conferir a configuração e clicar em "Instalar".


Aguarde até a instalação ser concluída. Retire o CD e reinicie e computador!!!

http://f2suporte.blogspot.com/2010/05/instalacao-do-ubuntu-810-passo-passo.html


CRÉDITOS MUNDO LIVRE: http://mundodeumapamella.blogspot.com/2009/04/instalacao-do-ubuntu-810-passo-passo.html


O Fórum e o Blog F2 - Suporte, sempre ajudam você com as Apostilas, tutoriais, e-books, vídeo-aulas, simuladores, gratuitos. Ajude também o Fórum e o Blog F2 - Suporte, fazendo uma doação, através do PagSeguro pode ser qualquer valor, por boleto, cartão ou débito em conta, contamos com sua ajuda!!!


 




***Visite nosso fórum***

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário ou alguma sugestão, elogio, pedido.
Se encontrar algum erro ou link, imagem quebrada, por gentileza nos informe.
E-mail: f2suporte@gmail.com
Agradecemos.

Postagens mais visitadas

Minha lista de blogs

::::: VISITANTES :::::




contador

aparência numerique
contador



contador